O problema do pequeno varejo é pensar pequeno

O problema do pequeno varejo é pensar pequeno

O problema do pequeno varejo é pensar pequeno

Comece a praticar empatia, dê ao seu cliente o que você gostaria de receber, cative.

Fui comer no Subway (grande rede de alimentação) e ao encerrar minha compra a pessoa do caixa me perguntou: quer participar do nosso programa de fidelidade é só dar seu telefone.

Fiquei feliz, pois o sistema é exatamente igual ao Especial Você que foi criado para o pequeno e médio comerciante a um baixo custo.

Bom, minha motivação durou pouco, em seguida fui falar com um pequeno restaurante e veja o que ouvi:

Olha já pensamos nisso, pensamos em colocar o cartãozinho com carimbo.

Questionei o porque e as respostas foram:

. A assim o cliente esquece o cartão e não necessitamos carimbar sempre

. A pessoa do caixa não sabe pegar o telefone do cliente

. A porque dar uma refeição de graça se ele come sempre aqui

Enquanto grande parte do varejo se preocupa com conhecer o cliente, cativar, ter o máximo de informação sobre o consumidor, o pequeno não sai do quadrado e veja não é o primeiro que nos fala sobre isso.

Um programa de fidelidade não é para dar é para receber, enquanto o comerciante pensar que ele está dando ele estará fadado a ser comido por um grande.

Não adianta se preocupar quando as vendas começarem a cair, nesse momento você não estará preparado para atuar.

O programa de fidelidade, em primeiro lugar, serve para fazer você conhecer seu cliente, o mais fiel, a sazonalidade, a frequência, porque parou de comprar de mim e assim vai.

Pense, se você tivesse que fazer algo hoje para promover seu negócio quem e como você faria ou convidaria.

Pense bem, imagina você entrar em um estabelecimento, comprar ou comer e no momento de pagar a conta a pessoa do caixa lhe dizer: olha, você não necessita pagar seus pontos cobrem esse gasto. Olha e você nem sabia disso.

Comece a praticar empatia, dê ao seu cliente o que você gostaria de receber, cative.

Especial Você existe para te ajudar.

mavidal

Os comentários estão fechados.